Fundamentos de Fé: Lição 9 - A Igreja

14/01/2013 08:44

“E sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e diante dela as portas do inferno não prevalecerão” (Mateus 16:18)

“... a casa de Deus, que é a Igreja do Deus Vivo, coluna e baluarte da verdade” (1 Timóteo 3:15)

O termo Igreja vem do grego “Eklesia” e significa “assembleia dos convocados”.

A gloriosa Igreja do Senhor Jesus é todo o número de cristãos em todo o mundo e em todos os tempos e eras. É chamada em Hebreus 12:22-23 de a “Universal assembleia e Igreja dos primogênitos inscritos nos céus”.  O termo Igreja é relacionado na Bíblia a:

  • Comunidade dos Cristãos de uma cidade ou região – Atos 9:31, 11:22, 13:1, 14:26, 16:4-5;
  • Congregação local dos Santos: Romanos 16:5, 1 Coríntios 14:19;
  • A Comunidade dos Cristãos de toda a Terra: Efésios 5:32;
  • Corpo de Cristo: 1 Coríntios 10:16-17, Efésios 1:22-23;
  • Rebanho de Deus: Atos 20:28, 1 Pedro 5:2;

A Igreja, propriamente dita, não é o espaço físico ou edifício/construção; estes são utilizados para a Igreja para cultuar-se a Deus. A Igreja é corpo espiritual de Cristo na Terra, e é composta por todos os crentes renascidos e regenerados pela fé em Jesus.

Somos Igreja quando nos reunimos seja em família, ou com os demais irmãos de uma comunidade local, seja nas casas, nas praças, ou num salão ou em outro lugar, com o propósito de Pregar o Evangelho de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, para adorar e prestar culto a Deus, manter comunhão, estudar a Palavra de Deus.

 Leia cada uma das referências a seguir e compartilhe com seu grupo de estudo, quais os lugares onde a Igreja se reunia:

Atos 2:41-48

Atos 18:4-8

Atos 3:1

Atos 19:8-9

Atos 8:3

Atos 20:20

Atos 8:4-8

Colossenses 4:15

Atos 16:5 e 40

Filemon 2

O que lhes parece? Eles se reuniam em lugares diferentes por quais motivos?

Historicamente, até o quarto século a Igreja Cristã não tinha liberdade de culto, e o povo reunia-se nas casas, portanto, templos, tais como conhecemos hoje, não eram a realidade dos primeiros cristãos. Não havia corais, bandas, danças, seminários, e nem os pregadores eram exímios doutores em divindade.  Obviamente toda tradição cristã se mantinha pelo ensino oral. A força daqueles cristãos vinha da oração e de uma fé especialmente maravilhosa. Sua missão era pregar, pregar, e pregar (Romanos 10:14-15; 2 Timóteo 4:1-2).

Os membros da Igreja são chamados de Irmãos, Crentes, Santos, “aqueles do Caminho”, Eleitos, Discípulos e Cristão. Pela primeira vez, em Antioquia da Síria, os seguidores de Jesus receberam o nome de cristãos, que quer dizer “povo do Cristo” (Atos 11:26). Juntos formavam o corpo de Cristo, a Igreja (1 Cor. 12:13).

Estabelecendo o Reino de Deus

O Reino de Deus significa o governo de Deus. Em Isaías lemos a profecia do que seria o Reino de Deus em Cristo Jesus: “Porque um menino nos nasceu e um filho se nos deu; e o governo estará sobre os seus ombros e o seu nome será: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e Príncipe da Paz . Do aumento do seu governo e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi no seu reino, para o estabelecer e o fortificar em retidão e em justiça, desde agora e para sempre; o zelo do Senhor dos exércitos fará isso” Isaías 9:6-7.

Nossa missão como Igreja é definida na comissão de PREGAR E FAZER DISCÍPULOS. Jesus mencionou nos Evangelhos cinquenta e duas vezes sobre o Reino de Deus. 

Jesus disse: “... Não vem o Reino de Deus com aparência visível... porque o Reino de Deus está dentro de vós.” Lucas 17:20-21. E ainda: “... o meu Reino não é deste mundo”.

O apóstolo Paulo fala sobre o Reino Aos Romanos e Aos Coríntios:

“Porque o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça e paz e alegria no Espírito Santo” – Romanos 14:17

“Porque o Reino de Deus consiste não em palavras, mas em Poder” – 1 Coríntios 4:20

A Entrada no Reino de Deus

Jesus explica em João 3:5: “...quem não nascer da água e do Espírito não pode ver o Reino de Deus”. O Reino de Deus  vem até nós pelo nosso esforço em recebê-lo: João 1:12-13, Mateus 11:12, Lucas 16:16 e Colossenses 1:13.

O Senhor deu a Pedro as chaves do Reino dos Céus (Mateus 16:19). Quais seriam elas? Pedro pregou o primeiro sermão após ter sido cheio do Espírito Santo e respondeu a questão “Que faremos agora irmãos” dizendo: “Arrependam-se cada um de vocês e sejam batizados em nome de Jesus para perdão dos pecados e receberão o dom do Espírito Santo.” Atos 2:38. Com isso entendemos que as chaves do Reino são: Arrependimento, Batismo nas águas em nome de Jesus e o dom o Espírito Santo.

Em Atos 1:8 Jesus disse que eles seriam testemunhas tanto em Jerusalém como na Judéia e Samaria, e até os confins do mundo (referindo-se aos povos gentios). Pedro usou as chaves sempre no mesmo padrão:

  • Jerusalém (que ficava na Judéia)                                            - Atos 2:38-40
  • Samaria (Filipe iniciou mas Pedro  esteve presente)      - Atos 8:12-17
  • Aos gentios (em Cesaréia)                                                        - Atos 10:42-48

Fazendo Discípulos

O registro de Mateus sobre a Grande Comissão dada por Jesus diz: “Ide, portanto, e fazei discípulos de todas as nações...” (Mateus 28:19). Fazer discípulos significa tornar alguém seguidor do ensino de Jesus. Mas, muito mais que simplesmente transmitir informações, fazer discípulos significa o compromisso de gerar filhos espirituais. A Igreja deveria chorar como Raquel: ”Senhor, dá-me filhos senão morrerei”. Gênesis 30:1.

Jesus orava pelos discípulos clamava em oração algo que deve ecoar em nosso coração e reorientar nossos propósitos:

“... Santifica-os na verdade. A tua Palavra é a verdade. Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo... Eu não rogo somente por eles, mas por aqueles que, pela sua palavra (dos discípulos), hão de crer em mim” João 17:17,18 e 20

A palavra dos discípulos é o evangelho do Reino: “Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra de esquina;” Efésios 2:20.

A maneira de se tornar discípulo é relatada em Atos 2:41-47, de onde tiramos:

  • Perseverar no ensino apostólico;
  • Manter comunhão;
  • Partilhar das necessidades;
  • Perseverar na oração;
  • Temor do Senhor;
  • Perseverar no templo (ato de congregar);

Mediante o testemunho da igreja, os pecadores são salvos, nascidos de novo, batizados nas águas e acrescentados à igreja. O batismo no Espírito Santo, Seu poder e manifestação e dons estarão em operação. Prodígios e maravilhas acontecem, como curas, milagres, libertação e demônios são expulsos pelo poder do nome de Jesus: Atos 2:43, 3:6, 4:12 e 31-37, 12:5.

Ministérios para a Igreja

“Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo...”Efésios 4:11-12.

O apóstolo relaciona cinco funções que se exerce na igreja como ministérios para a edificação dos santos para que estes também possam o seu ministério, são eles:

  • Apóstolos          -              Significa “embaixador”, enviado, mensageiro enviado extraordinariamente. Os apóstolos de hoje são desbravadores plantadores de igrejas, que são poderosos na Palavra, cheios do Espírito Santo e poder de Deus. Os sinais e dons se manifestam em seu ministério. Não obstante não procuram ostentar-se diante das pessoas;
  • Profetas              -              São os que trazem uma mensagem da parte de Deus ao seu povo. Proclamavam e interpretavam cheios do Espírito Santo, a Palavra de Deus, visando admoestar, animar, consolar e edificar a Igreja. Normalmente são levantados para zelar pela pureza da Igreja e possuem uma ampla sensibilidade diante do mal e capacidade de identificar e detestar a iniquidade e os falsos ensinos. São de uma dependência contínua da Palavra de Deus para validar sua mensagem interessando-se pelo sucesso espiritual do Reino de Deus.
  • Evangelistas      -              Todos nós devemos proclamar o evangelho, mas os Evangelistas têm um chamado especial de Deus com uma capacitação especial de amor pelas almas;
  • Pastores             -              Normalmente são s dirigentes da congregação local ou regional, cuja a função é apascentar o rebanho de Deus : cuidando da sã doutrina, ensinar a Palavra de Deus. Pela proximidade dos membros locais, os pastores exercem a admoestação, orientação, exortação, ensino e correção, protegendo o “rebanho de Deus” de lobos cruéis que causam divisão e tentam introduzir o ensino fraudulento. Lemos isso em Atos 20:28, no conselho de Paulo aos Bispos da Ásia: “Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho de Deus, sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a Igreja de Deus, que Ele resgatou com o seu próprio sangue”.
  • Mestres              -              São aqueles que têm uma chamada de Deus, para esclarecer, expor, proclamar e ensinar a Palavra de Deus, a fim de edificar o corpo de Cristo. Sua missão é defender e estabelecer o ensino bíblico genuíno (2 Timóteo 1:11-14). Pela sua vocação, têm uma intimidade e dependência profunda com a Palavra de Deus (1 Timóteo 4:8-16).

Não vamos deixar de lado a importância do desempenho de cada um dos ministros usados nesses ministérios, mas a função destes em “aperfeiçoar os santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo...”Efésios 4:11-12, significa que eles deve ensinar seu ofício aos santos (crentes), para que eles também continuem a obra do ministério. Ou podemos demonstrar assim:

Ou, conforme o slogan da CPEC (Cruzada Profissional e Estudantil para Cristo), por seu fundador – Bill Bright: Ganhar (Evangelista) – Consolidar (Pastor) – Treinar (Mestre) – Edificar (Profeta) – Enviar (Apóstolo).

Qualquer que seja os dons ministeriais, nas Igrejas locais a organização bíblica prevê presbítero(s), ou bispo(s). Para isso são necessárias algumas qualificações morais que estão descritas em 1 Timóteo 3:1-7:

1.     Ser irrepreensível

àIsto é, que não dê motivos de correção de conduta moral;

2.     Marido de uma mulher

àQue tenha zelo pelo sagrado matrimônio;

3.     Sóbrio

àModerado nos desejos sem extravagâncias;

4.     Honesto

àHonrado, de comportamento conveniente e próprio;

5.     Hospitaleiro

àQue acolhe com satisfação;

6.     Apto para ensinar

àQue saiba se preparar e manejar bem a Palavra da Verdade (2 Timóteo 2:15);

7.     Não dado ao vinho

àO termo grego é “ma parainon”, que quer dizer “não ao lado do vinho”;

8.     Não espancador

àObviamente, que não seja violento em sua casa ou em qualquer situação

9.     Não cobiçoso de torpe ganância

àIsto é, não ser uma pessoa de ambição desonesta, nojenta ou indecente;

10.  Moderado

àComedido, sem extremar de mais;

11.  Não contencioso

àQue evita as contendas. Ao homem de Deus não convém contender. A palavra pode ser usada no amplo sentido, mas em especial a uma postura para com aqueles que resistem à fé (2 Tim. 2:24-26);

12.  Não avarento

àIsto é, que não seja apegado ao dinheiro (1 Timóteo 6:3-12);

13.  Governar bem sua própria casa

àQue tenha fidelidade ao matrimônio e dirija os assuntos de seu lar com esmero;

14.  Ter os filhos em sujeição

àUm complemento do item acima, significa que deve ser um bom discipulador de seus filhos;

15.  Não neófito

àNovato na fé, que não tenha sido provado;

16.  Bom testemunho externo

àDe boa reputação.

Desejar o episcopado (entrar para o ministério) é algo maravilhoso antes, porém, verifique seus motivos, seja submisso e coloque-se numa atitude de aprender e deixar-se ser moldado. O seu tempo certamente virá.

Ainda mais uma Reflexão sobre os ministérios apontados em Efésios 4:11-12:

“Ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para Profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores; querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo”.

Os ministérios são colocados na Igreja com o objetivo de “treinar” os santos, esse é o processo de fazer discípulos, pelo ensino, pelo serviço cristão, pela exortação, correção etc. (Romanos 12:6-8). Podemos entender que a ideia está em capacitar os santos para que eles também exerçam os ministérios, o que está de acordo com 1 Coríntios 12:31 e 2 Timóteo 2:1. Prossiga a leitura de Efésios leia o restante do capítulo até o versículo dezesseis, onde a ideia parece ter sido concluída: “ do qual todo o corpo, bem ajustado e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor”.

A ação dos ministérios, que Deus mesmo indicou, a capacitação dos santos e o exercício deles na obra de Deus, são questões fundamentais para a edificação e o crescimento da Igreja.

Questões para Refletir:

  1. O que a Igreja significa para você?
  2. Para que missão a Igreja foi instituída?
  3. Temos muitas atividades na Igreja, mas quais são as prioridades determinadas por Jesus?
  4. Quais as características dos primeiros discípulos que vemos em Atos dos Apóstolos?
  5. Qual sua opinião: Você acha que nossas atividades na Igreja estão orientadas para estabelecer o Reino de Deus e cumprir a missão da Igreja?
  6. Que características da Igreja Primitiva você acha que estão faltando na atualidade, em termos de Igreja local e mundial?
  7. Como suprir ou corrigir isso?
  8. Como você vê a importância dos ministérios para a Igreja?
  9. Você sente desejo de ser um ministro? Que passos você entende ser necessários para isso acontecer?
 
Deixe sua mensagem em nosso livro de visita ou envie mensagem para:
  • Comunidade Evangélica Restauração & Vida
    • Rua Mário Miró, 211 - Vila Oficinas - Bairro do Cajurú - Curitiba - Paraná - CEP 82950-170 
    • 41-3266-1447 (Pastor) contato@comunidaderestauracaoevida.com.br

 


contador

Newsletter

Assine a nossa newsletter:

Contato

Comunidade Evangélica Restauração & Vida Rua Florianópolis, 1307
Bairro do Cajurú
Curitiba - Paraná
CEP 82930-030
41-3266-1447 (Pastor) contato@comunidaderestauracaoevida.com.br