Fundamentos de Fé: Lição 12 - Os sacramentos da Igreja

14/01/2013 08:51

O BATISMO NAS ÁGUAS

“Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus cristo, para perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. Porque a promessa vos diz respeito, a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar”. Atos 2:38-39.

Uma das mais importantes ordenanças de Jesus para nós é o Batismo. Prova disso, é que dos quatro Evangelhos, todos falam sobre esse mandamento (Mateus 28.19; Marcos 16.16; Lucas 24.17 e João 3.5); ademais, o único livro histórico do Novo Testamento (Atos) menciona sucessivas vezes a prática do Batismo pelos Apóstolos de Jesus. Com isto, deve haver interesse de todos nós por esse assunto, pois o Batismo está incluído no Plano de Salvação (Marcos 16.16).

"Há um só Senhor, uma só fé, um só batismo;" (Efésios 4:5).

Há um batismo que tem dois elementos: água e espírito. A igreja batiza o convertido nas águas; Jesus Cristo batiza o crente com o Espírito Santo. As duas fases ou elementos são necessários para ser batizado no corpo.

A Palavra BATISMO vem do grego, "baptizo" que significa "molhar, mergulhar, imergir”. No batismo somos identificados com Cristo na morte e sepultamento (Romanos 6:3-4).

A FÓRMULA PARA SE BATIZAR

Jesus disse a um homem chamado Nicodemos que “Aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no Reino de Deus” (João 3.5), e sabemos que o nascer da água é o batismo (1º Coríntios 10.1,2).

Jesus ensinou e ordenou que os discípulos ensinassem as pessoas e batizassem em NOME (singular) do Pai, do Filho, e do Espírito Santo (Mateus 28.19). A comissão de pregar culminaria com o batismo: Jesus mandou os discípulos pregar e batizar os que cressem afirmando que “... quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Marcos 16.15,16). Ele ordenou seus discípulos que “em seu Nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados (batismo), em todas as nações” (Lucas 24.47).

Os Apóstolos obedeceram incondicionalmente à ordenança de Jesus sobre o Batismo. Eles batizaram os judeus (Atos 2.37-38), os samaritanos (Atos 8.14-16), os gentios (Atos 10 47-48) e os batistas (Atos 19.5). Observe nessas passagens que os apóstolos sempre batizavam os que criam “em Nome de Jesus Cristo”, porque compreenderam que O NOME (singular) do Pai, do Filho e do Espírito Santo mencionado em Mateus 28.19 é JESUS CRISTO, pois “em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4.12).

As passagens a seguir mostram sobre o NOME que é invocado no batismo nas águas no período dos Apóstolos: Atos 2.38; 4.12; 8:12-17, 10:47-48; Atos 19:5, 22:16, 1 Coríntios 1:13-15, além do texto em que Filipe tenha batizado o eunuco também em nome de Jesus pois assim ele fizera antes (veja Atos 8:12, 16 e 36-39).

Acima de tudo o batismo é uma maneira de expressarmos publicamente nossa identificação com a morte, sepultamento e ressurreição de Jesus, que para nós significa: MORTE – Arrependimento; SEPULTAMENTO – Batismo; e RESSUREIÇÃO – a nova vida em Cristo Jesus – leia Romanos 6:3-11, 2 Coríntios 5:17, Gálatas 3:27,Colossenses 2:12,13.

TIPOS DE BATISMO

  • ASPERSÃO (borrifamento) É a pratica de chuviscar água em gotas sobre a pessoa  e é muito usada na Igreja Católica e em algumas igrejas protestantes tradicionais;
  • AFUSÃO (derramamento) É a pratica de jogar água sobre a pessoa usado na Igreja Tradicional
  • IMERSÃO (mergulhamento ) É a pratica correta e bíblica de afundar na água a pessoa usado Igreja Evangélica.

Destes três tipos de batismo o correto é o batismo por IMERSÃO pois a própria palavra BATISMO significa literalmente mergulhar ou imergir, ao examinarmos a bíblia em Marcos 1:9-11 notamos no verso 10 o seguinte “logo que Jesus saiu da água...” ora, ninguém poderá sair se não tivesse entrado na água , então cremos que Jesus “entrou” na água para ser batizado. Outra passagem que nos revela a maneira correta de se batizar é Romanos 6:4 “fomos pois SEPULTADOS com JESUS na morte pelo BATISMO...” Concluímos que a forma correta e bíblica para o batismo é a IMERSÃO.

Se você ainda não é batizado nas águas no nome glorioso de Jesus (Atos 4:12), decida-se hoje ainda e acerte com o seu pastor a data para isso: “E, agora, por que te deténs? Levanta-te, e batiza-te, e lava os teus pecados, invocando o nome do Senhor” (Atos 22:16).

Não batizamos crianças

A condição para o Batismo é Arrependimento – Mateus 3:11 e Atos 2:38 e a criança não tem condições de fazer uma confissão de fé e nem arrepender-se. Por isso, adotamos a dedicação ao Senhor, isto é, apresentamos as crianças ao Senhor na Igreja, em agradecimento pois os filhos são Herança do Senhor (Salmo 127:3, Gênesis 33:5-4).

Jesus mesmo foi batizado quando tinha idade para isso, antes, quando criança, ele foi apresentado no templo (leiam Lucas 2:21-34 e Mateus 3:13-15)

Como realizar o Batismo

O batismo é administrado para quem tenha recebido Jesus Cristo como Salvador, tenha convertido ao Evangelho e tenha se arrependido – João 1:12 e 3:5; Atos 2:38, 8:12. É necessário também que seja um ato motivado pela Fé: Marcos 16:15; Atos 8:36-37 e 18:8.

O batismo nas águas não devia nunca ser administrado até que o candidato estivesse completamente arrependido (Atos 2:38), lembrando que, inicialmente, a pessoa é “tocada” em seu coração pela pregação da Palavra de Deus (Atos 2:36-38). No momento em que se arrepende, a pessoa é um candidato ao batismo nas águas e isso não se deve protelar (Atos 10:48; Atos 16:33; Atos 9: 18).

O batismo é realizado por imersão onde haja muitas águas. Isso não significa ser em rio ou mar. É em um lugar que possa submergir a pessoa: Mateus 3:16 diz-nos que Jesus "batizado, saiu logo da água"., concluindo-se que ele tinha entrado na água. João 3:23 nos diz que João batizou em Enom "porque havia ali muitas águas".

Jerusalém não tem nem um rio que corte a cidade. Durante a maior parte de sua história o abastecimento de água vinha da fonte intermitente de Guion, a oeste do vale de Cedron.  Nos tempos dos primeiros discípulos, havia em Jerusalém muitas piscinas públicas, como a piscina ou tanque de Siloé e a de Ezequias. Provavelmente os primeiros batismos cristãos foram realizados nestas piscinas ou tanques.

obviamente , o ministrante deve ser um cristão confesso de bom testemunho e que seja um obreiro reconhecido pela comunidade local ou com o aval da Igreja. Normalmente o pastor, presbítero ou missionário da igreja local.

Questões para Refletir (parte 1)

  1. O que significa a palavra “batismo”?
  2. Qual o nome que deve ser usado na hora do batismo e que foi praticado em todo a história da igreja primitiva, no livro de Atos dos Apóstolos?
  3. Quais os tipos de batismo? Qual é o correto e por quê?
  4. Qual o significado figurado do batismo para o cristão?
  5. Por que não batizamos crianças?
  6. Quais as condições pessoais para a pessoa ser batizada?
  7. Onde deve ser realizado o batismo?
  8. Quem pode administrar o batismo?

A CEIA DO SENHOR:

“Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, e, abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. E, tomando o cálice e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos. Porque isto é o meu sangue, o sangue do Novo Testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados” (Mateus 26.26-28).

A Ceia do Senhor foi instituída pelo próprio Senhor na noite em que foi traído, logo após de ter tomado a Ceia da páscoa com Seus discípulos. O objetivo é ser  em memória de Jesus, como lembrança do seu amor que o levou a morrer por nossos pecados e nos restaurar a imagem de Deus. É a "Ceia" no sentido de ser a última refeição nesta dispensação - a próxima será com Ele em Seu Reino.

É descrita em quatro passagens: Mateus 26:26-28, Marcos 14:22-25. Lucas 22: 19-20 e 1 Coríntios 11:23-32.

A Ceia do Senhor é conhecida como “Comunhão” - significa "repartir", "participar".

“Em memória de Mim” significa comemoração, ação de graças, comunhão, e compromisso.

OS ELEMENTOS UTILIZADOS

  • Pão Asmo (sem fermento) - símbolo de Seu corpo sem pecado: Mateus 26:17 e 26, 1 Coríntios 5:8 e 10:16;
  • O fruto da videira (suco de uva sem fermentação)- símbolo de Seu sangue derramado: Mateus 26:27-29, 1 Coríntios 10:16.

A PREPARAÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO

"Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma do pão e beba do cálice". (1 Coríntios 11:28)

O autoexame e a confissão de pecados devem acontecer na preparação para participação da comunhão. (1 João 1:6-9). Se o pecado está no coração, não pode haver fé e o corpo do Senhor não pode ser discernido, isto é, conhecido e apreciado.

Quando a pessoa participa da Ceia do Senhor com pecados não confessados e, consciente disso, acaba se endurecendo ao agir do Espírito Santo (1 Coríntios 11:30). O apóstolo Paulo fala de três tipos de pessoas, ou três estágios que acontecem às pessoas, que não sentem mais o dever de se purificar diante de Deus: (1) fracos, (2) doentes, (3) mortos, isso em nível espiritual e em relação à Igreja (1 Coríntios 10:31).

Por isso, devemos procurar sempre a santificação, isto é, uma mudança de nossa vida de acordo com os padrões de Cristo Jesus (Hebreus 12:14, Efésios 1:4 e 4:21-24 e 5:25-27).

COMO CELEBRAMOS

O evento deve ser informado antecipadamente aos membros da igreja local e deve ser feito as recomendações para uma preparação apropriada.

No momento da Comunhão o responsável em conduzi-la pede para alguns obreiros (as) segurarem as bandejas com os elementos da Ceia (pão e suco de uva) e que orem, dedicando-os ao Senhor e agradecendo pela oportunidade sublime. A seguir distribui-se a todos os presentes que irão participar (normalmente os batizados em água). Tendo sido entregues os elementos, todos aguardam para participar juntos, primeiramente o pão e a seguir o cálice (1 Coríntios 11:24-25). Uma canção e ações de graças são desejáveis.

QUAL A FREQUÊNCIA EM QUE DEVEMOS CELEBRAR A CEIA DO SENHOR?

Não nos foi dito. Está dito simplesmente "todas as vezes" (1 Coríntios 11 :26). Não deve ser celebrada muito frequentemente, para que o significado espiritual não se perca na repetição de um ritual. Por outro lado, há uma bênção nesse serviço a ser conservada regularmente. Uma vez por mês parece ser razoável.

O SIGNIFICADO ESPIRITUAL

A Ceia do Senhor é um olhar para o passado, outro para o presente e outro para o futuro.

No passado, é a lembrança, com ação de graças, do Calvário, onde Cristo foi-nos o “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (João 1:31).

No presente, é um ato de comunhão que temos com o corpo espiritual de Cristo, sua Igreja: “Porventura, o cálice de bênção que abençoamos não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é, porventura, a comunhão do corpo de Cristo? Porque nós, mesmo sendo muitos, somos um só pão e um só corpo; porque todos nós participamos do mesmo pão” (1 Coríntios 10:16-17)

No futuro, é uma esperança da Igreja pela vinda do Senhor Jesus para buscar o seu povo para o reinado milenar (1 Coríntios 11:26, João 14:3).

Questões para Refletir (parte 2)

  1. Qual o objetivo da Ceia do Senhor?
  2. O que significa a Ceia do Senhor e o que representam os elementos utilizados na cerimônia?
  3. Como devemos nos preparar para participar da Ceia?
  4. Qual o significado espiritual no passado, no presente e no futuro?

 

O LAVA PÉS

 

No livro de João capítulo 13:1-17 lemos o relato de algo que aconteceu na noite em que Jesus celebrou a última Páscoa juntos com seus discípulos. Um ensinamento muito profundo de humildade e serviço: Jesus lavou os pés de seus discípulos.

 

Era costume nos banquetes, que os criados (servos) lavassem os pés e mãos dos convidados e ainda colocar uma coroa de louros em sua cabeça além de ungí-los com óleos ou perfumes, em sinal de hospitalidade do anfitrião. ->

“... tal como o Filho do Homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos.” (Mateus 20.28). Esta Palavra de Jesus dita certa vez, permeou a noite da última Ceia de Páscoa, e deu um novo significado a seus discípulos “impactados” e então desafiados a servir uns aos outros. Um gesto que representou uma dramática inversão de papéis.

 

Contudo, o Lava-pés deve ser mais que um ritual. O ensino do significado do Lava Pés é ainda muito mais desejado que o próprio rito, e significa papel dos cristãos e da igreja.

O objetivo deve ser levar os participantes a examinar o próprio coração, e ver as próprias raízes de amargura e outros defeitos de caráter, e eliminar mal-entendidos entre os irmãos e ensinar a humildade, que é:

  • Considerar os outros superiores a si mesmo (Filipenses 2:3);
  • Igualdade e amor fraternal, (João 13:35, Romanos 12:10 e Efésios 4.2); e
  • O serviço cristão (Atos 11:29, Romanos 15:7 e 1 Pedro 4:10).

Como realizá-lo

Primeiramente o ministrante deve falar sobre o tema da humildade e serviços cristão, para que haja significado profundo aos corações.

Por motivos de ordem no culto, deve ser realizado com bacias de água (morna de preferência) e toalhas suficientes. Também é conveniente separar as mulheres dos homens.

O ideal é ter momentos especiais preparados e avisados com bastante antecedência. Quanto mais familiar o ambiente, melhor: grupos de células ou de estudos nos lares, reuniões familiares, retiros, etc..

Uma atitude que vem do Coração:

“Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas.” (Mateus 11:29)

“Portanto, aquele que se tornar humilde como este menino, esse é o maior no reino dos céus.” (Mateus 18:4)

“Antes, ele dá maior graça. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.” (Tiago 4:6)

“Semelhantemente vós jovens, sede sujeitos aos anciãos; e sede todos sujeitos uns aos outros, e revesti-vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.” (1 Pedro 5:5)

Questões para Refletir (parte 3)

  1. Qual o significado da cerimônia do lava pés?
  2. O que significa para você a Humildade Cristã?
Deixe sua mensagem em nosso livro de visita ou envie mensagem para:
  • Comunidade Evangélica Restauração & Vida
    • Rua Mário Miró, 211 - Vila Oficinas - Bairro do Cajurú - Curitiba - Paraná - CEP 82950-170 
    • 41-3266-1447 (Pastor) contato@comunidaderestauracaoevida.com.br

contador

Newsletter

Assine a nossa newsletter:

Contato

Comunidade Evangélica Restauração & Vida Rua Florianópolis, 1307
Bairro do Cajurú
Curitiba - Paraná
CEP 82930-030
41-3266-1447 (Pastor) contato@comunidaderestauracaoevida.com.br